PRAÇA JAMES FANSTONE N° 60 - CENTRO
ANÁPOLIS-GO - CEP: 75.020-390 E-MAIL: contato@heg.com.br
Diretor téc HEG: Dr. Carlos Siade RQE 4262 - Cirurgia Vascular/Angiologia - CRM 9155
TELEFONES: (62) 3099-9000 / (62) 3099-9010

Acesse o Webmail

Notícias

Comissão transfusional do HEG atua para implantar protocolo de reserva sanguínea e capacita profissionais

O Hospital Evangélico Goiano tem intensificado as ações de duas frentes por meio da sua Comissão Transfusional, criada em dezembro de 2012: A primeira, implantar o protocolo de reserva sanguínea, com o objetivo de garantir a segurança do procedimento cirúrgico, realizando uma reserva prévia do hemocomponente (componentes do sangue).

Quando existe a necessidade de transfusão sanguínea, como no caso de cirurgias e demais procedimentos, esta reserva é essencial para que esses componentes estejam sempre disponíveis ao uso. A segunda frente de trabalho da comissão tem sido a capacitação da equipe assistencial para identificar sinais de reação transfusional, com o objetivo de reduzir o número de incidentes e eventos adversos.

“Tendo em vista a importância da atuação da comissão dentro do âmbito hospitalar, os integrantes se reúnem uma vez no mês a fim de apresentar resultados colhidos em auditorias feitas diariamente nos prontuários de pacientes transfundidos, discutir eventos relacionados à reação transfusional, planejar campanhas e capacitações com as equipes envolvidas”; ressaltou Ellen Dias da Silva, coordenadora da Comissão Transfusional do HEG.

Para Shayenne Candatten, o trabalho da comissão transfusional tem sido essencial para fornecer segurança aos pacientes. “Os indicadores que apontam segurança desde a solicitação do hemocomponente até o término da transfusão tem apresentado resultados positivos e indicam que o foco da Comissão e de toda equipe assistencial envolvida tem sido alcançado”, pontuou.

A comissão

A Comissão Transfusional do Hospital Evangélico Goiano foi criada em dezembro de 2012 para atender às determinações da RDC nº 57/2010 do Ministério da Saúde, que torna obrigatória a criação desta comissão nas Instituições de Saúde como um órgão de prevenção, detecção e tratamento de qualquer intercorrência com transfusões.

A Comissão é multidisciplinar e atualmente é composta por um médico (presidente), coordenadora (enfermeira) e representantes dos seguintes setores: qualidade, banco de sangue, centro cirúrgico, UTI e Unidade de Internação.