PRAÇA JAMES FANSTONE N° 60 - CENTRO
ANÁPOLIS-GO - CEP: 75.020-390 E-MAIL: contato@heg.com.br
TELEFONES: (62) 3099-9000 / (62) 3099-9010

Acesse o Webmail

Fisioterapia

Fisioterapia

O serviço de fisioterapia do Hospital Evangélico Goiano é composto por seis profissionais especializados em diversas áreas da fisioterapia, e estão constantemente comprometidos com  a busca de novas técnicas, tecnologias e aperfeiçoamento da equipe para fazer frente ao avanço dos cuidados intensivos. A  equipe é composta pelas fisioterapeutas  Letuza Ribeiro , Elaine Morais, Danubia vilela, Ana Sophia Naves, Débora  Duarte e Lizziane Souza.

A fisioterapia faz parte do atendimento multidisciplinar oferecido aos pacientes durante a sua internação hospitalar nas  unidades  de terapia intensiva (UTI) e nos leitos. Sua atuação e extensa e se faz presente em vários seguimentos do tratamento intensivo.

A atuação fisioterapêutica em UTI adulto, pediátrico, e unidade coronariana caracteriza-se predominantemente pela aplicação de técnicas de remoção de secreção e de expansão pulmonar, mas a preocupação com a mobilidade do paciente é tão importante quanto as técnicas de terapia respiratória. Realizam-se procedimentos de assistência ventilatória, como extubação precoce,  VNI , regulação dos parâmetros ventilatórios e as etapas do desmame da respiração assistida.  Atuamos no pré-operatório e pós-operatório das cirurgias cardíacas .

O atendimento nos leitos visa a reinserção bio-psico-social do paciente/cliente. Atinge áreas com procedimentos, técnicas metodologias e abordagem especificas que tem o objetivo de tratar, minimizar e prevenir varias disfunções. Atuamos  com eficiência em todas as especialidades.

Perfil do fisioterapeuta hospitalar:

-Capacidade de elaborar o diagnostico fisioterapêutico, interpretar laudo e exames propedêuticos e complementares detectando as alterações cinéticas-funcionais.

-Prescrever, baseado no que foi constatado na avaliação físico-funcional, as técnicas de tratamento fisioterapêuticos, adequados a cada caso.

– Reavaliar sistematicamente o paciente, reajustando ou alterando  as condutas terapêuticas.

-Estar em contatos como demais profissionais que estão atuando no caso e aberto para troca de experiências e discussão para melhor resultado.