PRAÇA JAMES FANSTONE N° 60 - CENTRO
ANÁPOLIS-GO - CEP: 75.020-390 E-MAIL: contato@heg.com.br
Diretor téc HEG: Dr. Carlos Siade RQE 4262 - Cirurgia Vascular/Angiologia - CRM 9155
TELEFONES: (62) 3099-9000 / (62) 3099-9010

Acesse o Webmail

Notícias

Hospital Evangélico Goiano recebe Selo Platina de Qualidade

No evento realizado no dia 30 de janeiro de 2014 a  Ahpaceg apresentou, o resultado de sua primeira Classificação Hospitalar e entregou os Selos de Qualidade Ahpaceg aos 15 classificados. 

Os selos foram conferidos com base na pontuação alcançada por 15 grandes hospitais goianos na Classificação Hospitalar promovida pela Ahpaceg e realizada por auditores independentes
Sete hospitais foram classificados na categoria Platina, seis na categoria Ouro e dois receberam o selo Prata. Nas categorias Diamante (a maior) e Bronze (a menor) não houve classificação.
A entrega aconteceu na Maison Florency, em Goiânia, e reuniu a diretoria da Ahpaceg, diretores e colaboradores dos hospitais associados; autoridades da área da saúde e representantes de vários segmentos. Cerca de 300 pessoas participaram da solenidade.
Pela ordem de classificação, na categoria Platina foram classificados o Hospital Anis Rassi, Hospital Santa Helena, Hospital de Acidentados, Hospital e Maternidade Jardim América, Hospital Evangélico de Anápolis, Hospital Santa Mônica e Hospital Amparo.
Na categoria Ouro, foram classificados o Instituto Ortopédico de Goiânia, Hospital Monte Sinai, Hospital da Criança, Hospital São Silvestre, Hospital São Francisco de Assis e Hospital Samaritano de Goiânia. Na categoria Prata, a classificação ficou com o Hospital Infantil de Campinas e o Hospital São Salvador .
Com a Classificação Hospitalar, a população tem um meio de avaliar se o hospital oferece segurança ao paciente. Para essa classificação, os hospitais passaram por uma minuciosa avaliação feita por auditores independentes e capacitados, seguindo parâmetros técnicos internacionais e previstos no Manual de Classificação Ahpaceg, avaliando critérios, como a complexidade, resolutividade, qualidade e segurança em todos os setores dos hospitais. O questionário de avaliação incluiu 230 questões sobre os mais diversos aspectos, com pesos diferenciados para cada grupo. A pontuação máxima prevista era de 245 pontos.
A classificação considerou, por exemplo, a infraestrutura, serviços e equipamentos mínimos que um estabelecimento precisa ter para ser chamado de hospital, entre eles, ter pronto-socorro 24 horas; no mínimo 40 leitos comuns e 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI); pelo menos três serviços de diagnóstico e terapêutica 24 horas (ressonância, tomografia, raio x, ultrassonografia ou hemodinâmica). Avaliou também critérios, como a existência e o efetivo funcionamento de Comissões de Controle de Infecção Hospitalar, de Ética e de Óbito.
Fonte: http://www.ahpaceg.com.br